JUDICIARY: JUDICIAL AND POLITICS INSTITUTION

 “CNJ Order. Even without Congress’ law, action ensures homosexuals the same  heterosexual couples right, including exchange of marital status, right to divorce and share spouse’s inheritance; notary’s office that refuse celebration will be punished. “(ESTADÃO, 2013)

STF CNJ action has been a clear example of intensification of the Judiciary-Legislative relationship. The order issued to notary’s office is an attempt to fill a gap in legislative action, identified by the Judicial court. However, it is subject of debate the topic raised by many people, especially within the Legal community: does the Judiciary have legitimacy to override the Legislative and deliberate matters concerning the Congress?

This type of occurrence is called “judicial activism“, and It has been increasingly present. Actions like the CNJ (already expressed in this work paper), Sopreme Court’s binding precedents and other devices found in the brazilian Judiciary are legitimate mechanisms of intervention. Furthermore, there is also the authentic interpretations, which are configured when an applicator of the Law decide to edit interpretive norms, so, laws that guide the interpretation of others, and, eventually, link all the decisions taken previously and hereafter. (KELSEN, 1976) From the moment an interpretive standard is regulated in all cases judged based on the target standard should be reassessed, in order to adapt to the new legal situation surrounding that issue. Thus, as stated by Kelsen himself: “The interpretation by the law of the applicator body is always authentic. It creates law “(Kelsen, 1976, p. 47). Thus, the above interpretations illustrate a form of judicial activism as lend themselves to the role of the legislative branch of producing standards. Thus, the responsibility of the judiciary to interpret and apply the laws, determining the scope and extent of the rules. Faced with a legal system and the assessment of a case, its function is to tell the law and end the dispute. However, it is common ground that the regulatory evolution does not move at the same pace that the changes in society, causing often the situation where a standard is displaced or in relation to social dynamism quoted, or even the laws that followed. 1Thus, a law is able to suffer ad subrogation or derogation, with the first phenomenon is the full repeal of the norm, when declared in the text (the provisions to revoke or otherwise-is revoked the following law ), when expressly incompatible with the latest standard or when fully regulate the matter that was the previous law; and the second aspect implies only that the effect of the repeal of the law will be the same to the other normative texts (articles, paragraph, item). These mechanisms aim at legislative organization plan, establish a minimum of coherence to the normative whole. (Mendes, 2004) Nevertheless, it is not rare a conflict of standards and a single case can be disciplined by conflicting laws, at which the judge uses his interpretive technique to define what should be applied. Importantly, the judge is not restricted to the normative body, may also invoke transcendent principles of law in relation to the normative analyses. There is also the situation where the law is contrary to the principles that maintain the cohesive legal system and can open space to the judge’s order to purge the disharmonious standard. It’s a situation where it lends itself to the role of negative legislator. And on the other hand, when analyzing a particular case, there is no standard that will address the situation, the judge has the power to establish a new legal situation, noting, however, the legal system and their cohesion. The last one refers to acting as a positive legislator and is a consequence of the principle of not spearing form the jurisdiction: the absence of a normative text is no a justification for not to judge. 1Given these features, that can already be being observed in this Judiciary and Legislative System, is necessary to mention the political systems in which there is a delegation of political power to the judiciary, through the so-called judicial review, and where can be observed several other phenomena arising from this fact . The first is called judicialization of politics, that exactly sums up the fact that some decisions, which should rather be taken by organs of national power and the executive, are being decided by the judiciary (Barroso, 2008). “As intuitive, the judicialization involves a power delivery to judges and courts, with meaningful alterations in language, argumentation and the way of society’s participation. The phenomenon has multiple causes. Some of them express a global inclination; other are directly related to Brazilian’s institutional model” (BARROSO, 2008). This process known as judicialization, primarily still depends of two aspects; a determined context and the called judicial activism. According to Tate and Vallinder (1997 abud ARANTES). This context would be the presence of democracy, with separation of powers, weak political parties, weak coalition governments and a system of groups of interest. Besides, something essential would be the named judicial activism, defined as the own will of judges and of the Public Ministry to act and be part of the situation, having the “responsibility of implementation of rights and solution of major conflicts of society” (ARANTES, 2002). Thus, it is possible to imagine judicial activism as a proactively way of interpretation of constitution, having its origin in American Supreme Court, which already adopted an active stance compared to some schedules related to racial issue, social and economic. This activist stance can be seen in countless situations that include the very direct application of Constitution in situations not directly contemplated by its text, manifestations of unconstitutionality to normative acts and behavior taxes or even abstentions to the Government (BARROSO, 2008). “[…] the judicial activism, so far, has been part of the solution, not of problem. But it is a powerful antibiotic, which use must be eventual and controlled. With overdose, there is risk of dying with healing” (BARROSO, 2012). This judicial activism provides, therefor, a normative evolution within juridical universe and of the system of partition of powers. The normative evolution, described above, occurs in subtle ways. “Usually, these changes are discreet, so that their implications are not seen as break, but as a continuation” (COSTA, 2013). They are nothing but setting the right to society’s ideas, avoiding a jurisdiction that does not reflect the society over it rules. If this happens, “the Constitution will be transformed, inevitably, in a simple “piece of paper” that accepts all and have no power compared to the true and real constitution, which is due to the real factors of power” (OLIVEIRA, 2011). There is, however, in most of the legislation, mechanisms that interferes on its modification while current regulations. What changes, in fact, is not the text of the rule itself, but their interpretation. The legal interpretation will contemplate the changes in social principles, wherein “the society and axiom play important role on this interpretative task by studies and social movements noisy claim” (OLIVEIRA, 2011). This phenomenon is called “Constitutional Mutation”, which means, literally, change in Constitution, in other words, of rules. In practice, it is concentrated in the hands of Supreme Court, responsible for defining the application of current laws. In the words of Minister Gilmar Ferreira Mendes: “It is privately up to the Federal Senate: X- stop the application, in whole or in part, of a law declared unconstitutional by final decision of the Supreme Court;” (MENDES, 2004). Therefore, it is up to the Supreme Court the interpretation of these laws, being limited, on constitutionality, to a revision by the Senate: the final decision on the interpretation of laws is by the Supreme Court, being up to the Senate only its review. A recent situation of “constitutional mutation” is in the case of gay marriage legalization in the United States. The US Supreme Court held that marriage should be extended to homosexual couples in states that barred the privilege. This was a reflection not only of social pressures, claiming adequacy of laws to the popular will, but also the change in design of the Supreme Court’s own judges, who have to design, mostly the need for change in the interpretation of the rules to reflect the social context of the time. As can be seen, the classical idea of ​​separation of powers, found in famous authors like Locke (1632-1704) and Montesquieu (1689-1755), contained in the “Spirit of Laws” work was adopted, in a peculiar way, by different countries. There is no simple division, common to the legal layman, a judiciary that judges, an executive running and a Legislative creating laws. This notion of tripartite powers initially was built by France (from 1789, with a more republican model, without giving political power to the judiciary) and the USA (from 1787, with a more liberal model), influencing later , most of the countries. Latin American countries such as Brazil, despite the presence of a hybrid model, has a greater proximity of the American diffuse model, through, above all, a model of judicial review, which had already been discussed above (Arantes, 2002). For all the reasons already discussed above, and this model of judicial review, processes and decisions of the Court are often restricted to a debate between an elite and aristocracy, which generates enough uproar. There are, in fact, a strong control mechanism for the decisions taken, causing public opinion and deliberative democracy are ignored in this debate limited to only 11 members, considered people of “outstanding legal knowledge” (SILVA, 2010). And that when they actually have (or at least admit) that expert knowledge: Alberto Torres, for example, in 1904¹, was appointed eventhough not be fit for the post. He was studying. A few months later, he took office (VILLA, 2011). However, this is not to say that the Brazilian authorities partition system has distortion. It is a system with peculiarities (COSTA, 2012). Just as the American judicial system has its peculiarities, the Brazilian system has its own, making a comparison between the two is not valid. They are different games, with sample sizes rules. The tripartite division of powers Brazilian was adopted in Brazil in its own way, which did not invalidate or vilifies such a phenomenon. The aim of this paper is to point out that the relationship between the Judiciary and Legislative is not a distortion, is inherent to the system. It is only the lawyers, as well as society, to discuss possible improvements or reforms, after all, nothing is so perfect that it can not be changed. NOTES: ¹ The constitution of 1891, the first of the Republic, already provided for appointment to the Supreme Court those with “notable juridical” REFERENCES: Arantes, Rogério Bastos. Judiciary: between justice and the police. Available at: <http://academico.direito-rio.fgv.br/ccmw/images/9/9d/Arantes.pdf&gt ;. Accessed on: 26 Juh. 2015 BARROSO, Luis Roberto. Legalization, judicial activism and democratic legitimacy. (Syn) thesis, v. 5, no. 1, p. 23-32, 2012. Bilenky, Thais. In a landmark decision, the US legalize gay marriage. Folha de S. Paulo. São Paulo, 2015. Available at: <http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/06/1648129-em-decisao-historica-estados-unidos-legalizam-casamento-gay.shtml&gt;. Accessed on June 2015. COSTA, Alexandre Araújo. Judiciary and interpretation: between Law and Politics. Magazine Think V.18, No.1, 2013. Available at: http://www.unifor.br/images/pdfs/Pensar/v18n1_artigo1.pdf. Access:. 20 Jun 2015 Kelsen, Hans. Pure theory of law / Hans Kelsen; [João Baptista Machado translation]. 6th ed. – Sao Paulo: Martins Fontes, 1998. MENDES, Gilmar F. The role of the Senate in the constitutional control: a classic case of constitutional change. Journal of Legislative Information, Brasilia, DF, v. 41, no. 162, April / June 2004. OLIVEIRA, Edézio Muniz. Constitutional mutation. In: Legal Scope, Rio Grande, XIV, n. 90, July 2011. Available at: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?artigo_id=9813&n_link=revista_artigos_leitura&gt ;. Accessed on June 2015. The São Paulo State. Brazil gay marriage officiates, with the right last name and division of property, May 15, 2013. Available at <http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-oficializa-casamento-gay-com-direito-a-sobrenome-e-partilha-de-bens-imp-,1031923&gt; Accessed on 28/06/2015. SILVA, Alfredo C. G. da. Review and control of the legislative power of the Supreme Court decisions. Legal Portal Investiture, Florianópolis, 4 June 2010. Available at: http://www.investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/judiciario/162959-revisao-e-controle-do-poder-legislativo-das-decisoes-da-suprema-corte.html . Access:. 27 Jun 2015 VILLA, Marco Antonio. The history of Brazilian constitutions. São Paulo: Leya 2011. BARROSO, Louis STF of the Year:. Judicialization, activism, and democratic legitimacy. Available http://www.conjur.com.br/2008-dez-22/judicializacao_ativismo_legitimidade_democratica?pagina=4&gt; Accessed on 27/06/2015

Judiciário: instituição judicial e política

STF

“Ordem do CNJ. Mesmo sem lei do Congresso, medida garante a homossexuais os mesmos direitos dos casais heterossexuais, incluindo troca de estado civil, direito ao divórcio e participação na herança do cônjuge; cartório que recusar celebração será punido.” (ESTADÃO, 2013)

Na medida tomada pelo CNJ tem-se um claro exemplo de intensificação da relação Judiciário-Legislativo. A ordem proferida aos cartórios se apresenta como uma tentativa de preencher uma lacuna existente na ação do Legislativo, identificada pelo órgão judicial. Porém, é alvo de discussão o tópico levantado por muitos, principalmente dentro da comunidade jurídica: o Poder Judiciário tem legitimidade para sobrepor-se ao Legislativo e deliberar sobre questões concernentes ao Congresso?

Este tipo de ocorrência é chamado de ativismo judicial, e vem sendo cada vez mais frequente. Medidas como a tomada pelo CNJ, Súmulas Vinculantes do STF e outros dispositivos encontrados no poder judicial são mecanismos legítimos de intervenção. Além disso, há também as interpretações autênticas, que se configuram quando um órgão aplicador decide editar normas interpretativas, ou seja, normas que guiam a interpretação de outras, e acabam por vincular todas as decisões anteriormente e futuramente tomadas. (KELSEN, 1976)

A partir do momento em que é regulamentada uma norma interpretativa, todos os casos julgados com base na norma alvo devem ser reavaliados, visando à adequação à nova conjuntura jurídica que cerca aquela questão. Logo, como afirmado pelo próprio Kelsen: “A interpretação feita pelo órgão aplicador do Direito é sempre autêntica. Ela cria Direito” (KELSEN, 1976, p. 47). Desta forma, as interpretações supracitadas ilustram uma forma de ativismo judicial, pois prestam-se ao papel do Poder Legislativo de produzir normas.

Dessa maneira, compete ao Judiciário interpretar e aplicar as leis, determinando o alcance e extensão das normas. Diante de um sistema normativo e a na apreciação de um caso concreto, sua função é dizer o Direito e por fim à lide. Entretanto, é pacífico que a evolução normativa não anda no mesmo ritmo que as mudanças na sociedade, ocasionando, frequentemente, a situação em que uma norma se encontra deslocada ou em relação ao dinamismo social citado, ou mesmo com as legislações que a sucederam.

Dessa forma, uma lei é passível de sofrer ad-rogação ou derrogação, sendo que o primeiro fenômeno consiste na revogação total da norma por uma posterior quando esta declarar expressamente em seu texto (revogam-se as disposições em contrário ou fica revogada a seguinte lei), seja expressamente incompatível com a norma mais recente ou quando regule inteiramente a matéria de que tratava a lei anterior; e o segundo aspecto implica somente que o efeito da revogação recairá sobre trechos da lei (artigos, parágrafo, inciso). Esses mecanismos visam, no plano de organização legislativa, estabelecer um mínimo de coerência ao todo normativo. (MENDES, 2004)

Não obstante, não é raro um conflito de normas e pode um único caso ser disciplinado por leis conflitantes, momento em que o julgador usa sua técnica interpretativa para definir, na situação concreta, o que deve ser aplicado. É importante destacar que o juiz não está restrito ao corpo normativo, podendo também invocar princípios do Direito transcendentes ao corpo normativo em análise.

Há também a situação em que uma norma entra em contradição com os princípios que mantêm coeso o ordenamento jurídico, podendo abrir espaço ao julgador para expurgar do ordenamento a norma desarmônica. É a situação em que ele se presta ao papel de legislador negativo. E em sentido contrário, ao analisar um caso concreto e não havendo norma que discipline a situação, o julgador dispõe do poder de estabelecer uma situação jurídica nova, observando, entretanto, o sistema jurídico e a sua coesão. Este último caso se refere à atuação enquanto legislador positivo e é consequência da inafastabilidade da jurisdição: a ausência de norma não é justificativa para o julgado ficar inerte.

Diante de tais características já passíveis de serem observadas nesse Sistema Judiciário-Legislativo, deve-se citar os sistemas políticos nos quais existe uma delegação de poder político ao judiciário, por meio do chamado controle de constitucionalidade, podendo ser observados diversos outros fenômenos decorrentes desse fato. O primeiro deles é a chamada judicialização da política, que sintetiza exatamente o fato de algumas decisões, que antes deveriam ser tomados por órgãos do Poder Nacional e do Executivo, estarem sendo decididas por meio do Judiciário (BARROSO, 2008).

“Como intuitivo, a judicialização envolve uma transferência de poder para juízes e tribunais, com alterações significativas na linguagem, na argumentação e no modo de participação da sociedade. O fenômeno tem causas múltiplas. Algumas delas expressam uma tendência mundial; outras estão diretamente relacionadas ao modelo institucional brasileiro” (BARROSO, 2008).

Esse processo conhecido como judicialização, ainda depende primordialmente de dois aspectos; um determinado contexto e o chamado ativismo judicial. Segundo Tate e Vallinder (1997 abud ARANTES), esse contexto seria a presença de uma democracia, com separação de poderes, partidos fracos, fracas coalizões governamentais e um sistema de grupos de interesse. Ademais, algo essencial seria o chamado ativismo judicial, basicamente definido com a vontade própria dos juízes e do Ministério Público para agir e tomar parte da situação, chamando para si “a responsabilidade pela implementação de direitos e pela solução dos grandes conflitos da sociedade” (ARANTES, 2002). Assim, é possível pensar o ativismo judicial como uma forma proativa de interpretação da constituição, tendo por isso, suas origens na Suprema Corte Americana, que já nos anos 30 adotava uma postura bastante ativa frente a algumas pautas relacionadas a questões raciais, sociais e econômicas. Essa postura ativista pode ser encontrada em inúmeras situações que incluem a própria aplicação direta da Constituição em situações não diretamente contempladas pelo seu texto, manifestações de inconstitucionalidade para atos normativos e imposição de condutas ou até mesmo abstenções ao Poder Público (BARROSO, 20008).

“[…] o ativismo judicial, até aqui, tem sido parte da solução, e não do problema. Mas ele é um antibiótico poderoso, cujo uso deve ser eventual e controlado. Em dose excessiva, há risco de se morrer da cura.” (BARROSO, 2012)

Esse ativismo judicial proporciona, portanto, uma evolução normativa dentro do universo jurídico e desse sistema de partição dos poderes. A evolução normativa, já descrita anteriormente, ocorre de maneira sutil. “Normalmente, essas alterações são discretas, de modo que as implicações de cada uma delas não se apresentam como ruptura, e sim como continuidade” (COSTA, 2013). Elas nada mais são do que o ajuste do direito aos ideias sociais, evitando uma jurisdição que não reflita a sociedade sobre a qual se aplica. Caso isso aconteça, “a Constituição irá transformar-se, inevitavelmente, num simples ‘pedaço de papel’ que tudo aceita e não tem qualquer força frente a verdadeira e real constituição, aquela que é decorrente dos fatores reais de poder” (OLIVEIRA, 2011).

Há, contudo, na maioria das legislações, mecanismos que dificultam sua modificação enquanto normas vigentes. O que se altera, de fato, não é o texto das normas em si, mas a interpretação que se faz a respeito deles. É a hermenêutica jurídica que irá contemplar as transformações nos princípios sociais, sendo que “a sociedade e a doutrina desempenham importante papel nesta tarefa interpretativa por meio de estudos e movimentos sociais reivindicatórios” (OLIVEIRA, 2011).

A esse fenômeno dá-se o nome de “Mutação constitucional”, que significa, literalmente, alteração na Constituição, ou seja, nas normas. Na prática, ele está concentrado nas mãos do Supremo Tribunal Federal, responsável por definir a aplicação das leis vigentes. Nas palavras do Ministro Gilmar Ferreira Mendes: “Compete privativamente ao Senado Federal: X – suspender a execução, no todo ou em parte, de lei declarada inconstitucional por decisão definitiva do Supremo Tribunal Federal;” (MENDES, 2004). Portanto, cabe ao STF a interpretação dessas leis, sendo este limitado, quando em matéria de constitucionalidade, a uma revisão pelo Senado: a decisão final quanto à interpretação das leis é do STF, cabendo ao Senado Federal apenas sua revisão.

Uma situação recente de “Mutação constitucional” está no caso da legalização casamento homoafetivo nos Estados Unidos da América. A Suprema Corte norte-americana entendeu que o casamento deveria ser estendido aos casais homossexuais nos estados que barravam esse privilégio. Isso foi reflexo não só das pressões sociais, reivindicando adequação das leis à vontade popular, mas também da mudança de concepção dos próprios juízes da Suprema Corte, que passaram a conceber, em sua maioria, a necessidade de mudança na interpretação das normas para refletir o contexto social do momento.

chuoa rila

Como pode ser percebido, a clássica ideia de separação dos poderes, presentes em célebres autores, como Locke (1632-1704) e Montesquieu (1689-1755), contida na obra “Espírito das Leis”, foi adotada, de forma peculiar, por diversos países. Não existe uma simples divisão, comum ao leigo jurídico, de um Judiciário que julga, um Executivo que executa e um Legislativo que cria leis. Essa noção de tripartição dos poderes, inicialmente, fora incorporada pela França (a partir de 1789, com um modelo mais republicano, sem dar poder político ao Judiciário) e EUA (a partir de 1787, com um modelo mais liberal), influenciando, posteriormente, grande parte dos países. Países latino-americanos, como o Brasil, malgrado a presença de um modelo hibrido, tem uma maior proximidade do modelo difuso americano, através, sobretudo, de um modelo de judicial review, que já fora discutido acima (ARANTES, 2002).

Por todas as razões já discutida acima, bem como esse modelo de judicial review, processos e decisões da Corte costumam ser restritas a um debate entre uma elite, uma aristocracia, o que gera bastante celeumas. Não há, de fato, um mecanismo vigoroso de controle às decisões tomadas, fazendo com que a opinião pública e a democracia deliberativa sejam ignoradas nesse debate circunscrito a apenas 11 membros, considerados pessoas de “notáveis saberes jurídicos” (SILVA, 2010). E isso quando realmente eles possuem (ou pelo menos admitam) esse exímio conhecimento: Alberto Torres, por exemplo, em 1904¹, fora nomeado mesmo admitindo não ser apto ao cargo. Foi estudar. Alguns meses depois, assumiu o cargo (VILLA, 2011).

Entretanto, não se trata de afirmar que o sistema de partição de poderes brasileiro possui distorções. É um sistema com peculiaridades (COSTA, 2012). Assim como o sistema judiciário americano possui suas peculiaridades, o sistema brasileiro tem as suas, fazendo com que uma comparação entre ambos não seja válida. São jogos diferentes, com regras casuísticas. A tripartição de poderes brasileiras foi adotada no Brasil a seu modo, fato que não invalida ou vilipendia tal fenômeno. O objetivo desse texto é apontar que essa relação entre Judiciário-Legislativo não é uma distorção, é algo inerente ao sistema. Cabe apenas os juristas, bem como a sociedade, discutirem possíveis melhorias ou reformas, afinal, nada é tão perfeito que não pode ser mudado.

NOTAS:

¹ A constituição de 1891, a primeira da República, já previa para a indicação ao Supremo Tribunal Federal àqueles com “notável saber jurídico”

REFERÊNCIAS:

ARANTES, Rogério Bastos. Judiciário: entre a justiça e a polícia. Disponível em: <http://academico.direito-rio.fgv.br/ccmw/images/9/9d/Arantes.pdf&gt;.

Acesso em: 26 de Juh. 2015

BARROSO, Luís Roberto. Judicialização, ativismo judicial e legitimidade democrática. (Syn) thesis, v. 5, n. 1, p. 23-32, 2012.

BILENKY, Thais. Em decisão histórica, Estados Unidos legalizam casamento gay. Folha de S. Paulo. São Paulo, 2015. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/mundo/2015/06/1648129-em-decisao-historica-estados-unidos-legalizam-casamento-gay.shtml&gt;. Acesso em jun 2015.

COSTA, Alexandre Araújo. Judiciário e interpretação: entre Direito e Política. Revista Pensar V.18, Nº1, 2013. Disponível em: http://www.unifor.br/images/pdfs/Pensar/v18n1_artigo1.pdf. Acesso em: 20 de Jun. 2015

KELSEN, Hans. Teoria pura do direito / Hans Kelsen ; [tradução João Baptista Machado]. 6ª ed. – São Paulo : Martins Fontes, 1998.

MENDES, Gilmar F. O papel do Senado Federal no controle de constitucionalidade: um caso clássico de mutação constitucional. Revista de Informação Legislativa, Brasília, DF, v. 41, n. 162, abr./jun. 2004.

OLIVEIRA, Edezio Muniz de. Mutação constitucional. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, XIV, n. 90, jul 2011. Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/?artigo_id=9813&n_link=revista_artigos_leitura&gt;. Acesso em jun 2015.

O ESTADO DE SÃO PAULO. Brasil oficializa casamento gay, com direito a sobrenome e partilha de bens, dia 15 de maio de 2013. Disponível em <http://sao-paulo.estadao.com.br/noticias/geral,brasil-oficializa-casamento-gay-com-direito-a-sobrenome-e-partilha-de-bens-imp-,1031923&gt; Acesso em 28/06/2015.

SILVA, Alfredo C. G. da. Revisão e controle do poder legislativo das decisões da Suprema Corte. Portal Jurídico Investidura, Florianópolis, 4 jun. 2010. Disponível em: http://www.investidura.com.br/biblioteca-juridica/artigos/judiciario/162959-revisao-e-controle-do-poder-legislativo-das-decisoes-da-suprema-corte.html . Acesso em: 27 de Jun. 2015

VILLA, Marco Antonio. A história das constituições brasileiras. São Paulo: Leya, 2011.

BARROSO, Luís. Ano do STF: Judicialização, ativismo e legitimação democrática. Disponível http://www.conjur.com.br/2008-dez-22/judicializacao_ativismo_legitimidade_democratica?pagina=4&gt; Acesso em 27/06/2015

Sou realista (“pero no mucho”)

shutterstock_81191014

Este trabalho se propõe a analisar um trecho proferido por Saul Sibert, analisando os conceitos por ele abordado (o direito natural, o direito positivo e a teoria realista) para demonstrar que, apesar de ser um discurso coerente ao leigo jurídico, Sibert, equivocadamente, postula-se como realista, valendo-se de uma construção errônea de argumento: ele parte de premissas falsas (a definição de direito natural) para se chegar a uma conclusão que beira a um significante vazio¹.

“Você me pergunta sobre se eu sou positivista ou naturalista, mas essa é uma divisão ultrapassada. Não é preciso ser uma coisa ou outra, visto que existem outras abordagens. Eu, pessoalmente, acredito que o direito natural é relevante, mas que somente alguns poucos princípios podem ser identificados com um direito válido independentemente de qualquer decisão política ou do costume (negrito nosso). Portanto, eu não sou completamente naturalista, mas também não sou completamente positivista. De fato, eu me considero um realista, pois a minha postura é a de reconhecer no direito a sua real faceta, sem os dogmatismos inerentes aos radicalismos positivistas e naturalistas.” (Paul Sibert)

Inicialmente, abordaremos o que o autor chama por “direito natural”, sob forma da corrente jusnaturalista. Essa tem foco em um direito vindo da natureza, acima das leis criadas pelo homem. Ele pode ser de origem divina, mentalidade recorrente na antiguidade e no período medieval, inerente à própria natureza humana, como acreditava Aristóteles, ou proveniente da razão, segundo os iluministas (COSTA, 2001).

SIndependentemente de sua fonte, a ideia de um direito natural esteve presente em diversas culturas jurídicas (COSTA, 2001). É recorrente a noção de princípios que regem a sociedade e sobre os quais devem se embasar as leis criadas pelos homens, extrapolando os costumes e decisões políticas. O direito natural, portanto, não é contrário ao direito positivo (criado pelo homem), como se pode inferir pelo trecho do autor acima, mas propõe juízos que ele (o direito positivo) deve seguir.

A título de exemplo pode-se citar a “Fé Militante”, no seriado da HBO Game of Thrones. Criada pela rainha Cersei Lannister, um grupo de jovens fanáticos por sua fé foram armados e autorizados pelo rei a perseguir e prender aqueles considerados descumpridores da lei divina. Apesar de os integrantes desse grupo acreditarem que suas leis eram naturais, acima de tudo, e deveriam ser cumpridas por todos, seus princípios foram apenas utilizados pela rainha Cersei como parte de seu jogo político para prender e castigar seus opositores, adequando-as a seus interesses.

O que se observa na realidade, contudo, é que os princípios do direito natural variam de acordo com a sociedade e o momento histórico em que ela está inserida. Não se tratam de juízos universais e fundamentais, mas de concepções da sociedade sobre o que eles deveriam ser. Durante muito tempo acreditou-se que o direito natural era proveniente das leis divinas, como pregava a Igreja Católica. As revoluções burguesas, ao longo dos séculos XVII e XVIII, contudo, trouxeram novos ideias, não mais fundamentados no divino, mas nas ideias iluministas de liberdade, igualdade e fraternidade (COSTA, 2001).

Percebe-se que houve uma mudança nos juízos tidos como naturais, provenientes de um momento histórico, e que se espalharam por outras sociedades posteriormente. Eles serviram como justificativa de uma nova lei positiva que se adequava à realidade apresentada no momento, e não como leis iguais e fundamentais a todas as sociedades.

Dessa forma, portanto, é possível também atrelar o discurso de Sibert com uma influência da corrente historicista. Esta, com raízes no idealismo dinâmico de Hegel, tendo como seu maior expoente o jurista alemão Savigny, aponta para um direito influenciado e formulado a partir de experiências culturais, como foi mencionado acima alguns exemplos. (COSTA, 2001, p.146; ORMELESI, 2012, p.4,5). Logo em seguida, ela seria incorporada por juristas que tentariam harmonizar ambas concepções (a de um direito justo natural, o jusnaturalismo, e a uma concepção historicista do direito), com destaque para Stammler. Este irá propor uma espécie de ‘direito natural de conteúdo variável’ (COSTA, 2011, p.147) indicando, simultaneamente, que o conteúdo do direito natural variava de acordo com a história e cultura de um povo, mas ao mesmo tempo sua função se mantinha constante – a de ser “um direito anterior ao feito pelo homem; (…) encarado ora de forma teológica ora sobre lentes racionalistas”(ORMELESI, 2012, p.4)-. Portanto, essa forma de direito natural conceituada por Stammler, abandona a pretensão do direito natural da existência de um direito a priori absoluto e universal, “inserindo o jusnaturalismo na história” (COSTA, 2011, p.147,148).

Essa concepção influencia, em parte, o discurso de Sibert pelo fato de que ele também parece negar a pretensão da existência de direitos naturais universais e imutáveis (como pode ser percebido na frase em negrito em seu discurso, já que ele desconsidera alguns princípios que outras sociedade já consideraram ou consideram como válidos), embora credita a algumas concepções do direito natural como válido, refletindo um pensamento que se baseia em um contexto temporal: a validade a princípios do direito natural se baseia em uma opinião que, inevitavelmente, é influenciada por contexto democrático, ocidental e capitalista e, portanto, histórico e cultural. O autor do trecho, entretanto, apresenta-se como um realista. Ao apresentar um pouco dessa teoria do Direito, queremos demonstrar a forma vaga com a qual o autor conceitua este.

Historicamente o realismo surgiu nos anos 30, mas só adquiriu uma importância teórica significativa a partir dos anos 50, sobretudo nos Estados Unidos e nos países escandinavos. Além disso, existem em suma duas principais escolas, a primeira inspirada pelo realismo psicológico, escandinava, e a segunda sob a influência do realismo sociológico, norte-americana. Ambas escolas concordam em interpretar a própria vigência do direito em referência a termos de efetividade social das normas jurídicas. Essa efetividade deriva da diferença entre uma norma vigente e um projeto de lei, consistindo no fato de que a primeira está ativa na vida jurídica das comunidades e a segunda é um mero projeto futuro. Contudo, a bifurcação se inicia quando a questão de “como ser ativo” é levantada, sendo que o primeiro caminho aponta para a consciência jurídica popular e o segundo para a atuação dos tribunais (ROSS, 2007).

A escola escandinava, encara a consciência jurídica popular como cerne principal da vigência de uma norma, sendo a aplicação pelos tribunais um caráter meramente secundário. Dessa maneira, é necessário indagar se as regras são vigentes, sendo que “a única pedra de toque ou critério possível para a existência de uma regra jurídica é o seu conforto com a consciência jurídico popular” (Knud Illum). Normalmente, o público aceita tudo que está em consonância com a Constituição, mas a consciência jurídica popular não se encontra atrelada mandatoriamente a lei. Vale lembrar que a consciência jurídica do homem comum não é suficiente para essa análise, sendo impreterível a consciência dos juristas profissionais do país (ROSS, 2007).

Já a escola norte-americana, foi influenciada pelo chamado realismo sociológico, considerando que a real realidade jurídica se encontra na própria atividade jurídica, assim, o direito é vigente quando existem fundamentos suficientes para supor que será aceita pelos tribunais. O principal expoente da escola é o jurista Oliver Holmes (1841-1935), que afirma a necessidade de conhecer como os juízes procedem em seus julgamentos para conhecer o direito em si (GODOY, 2013).

Acima um exemplo visto na série “Suits” que retrata esse realismo norte-americano. O protagonista da série, Harvey Specter, ao saber do juiz que enfrentaria (sabendo de como ele julga e se comporta), pede ajuda a um dos seus desafetos, Louis Litt, que teria uma melhor relação com o juiz, possibilitando atingir seus objetivos.

Ainda falando do realismo, é necessário dizer que boa parte de nossas previsões, quando generalizadas e reduzidas a um sistema, não formam um todo tão grande ou de difícil manejo. Elas se apresentam como um corpo finito de dogmas que pode ser dominado dentro de um lapso razoável de tempo. Trata-se de um grande engano quando nos assustamos com o crescimento do número de julgados e de precedentes judiciais. Os julgados de uma determinada jurisdição ao longo de uma geração levam em conta o conjunto do direito disponível, interpretando esse conjunto a partir dos pontos de vista da época na qual o direito é aplicado. Podemos reconstruir esse conjunto […] a utilização de julgados antigos é prioritariamente histórica […] (HOLMES, 1992, p. 161).

Além disso, o realismo jurídico e o seu balizamento entre o positivismo e o relativismo naturalista se assemelham a uma balança, a qual oscila entre os extremos de liberdade e segurança (NASCIMENTO, 2006). À medida que a balança se direciona ao extremo de segurança (distanciando da liberdade), o indivíduo possui mais certezas quanto aos seus projetos vida e de como a sociedade se portará diante dos seus conflitos. Ocorrendo o oposto, a oscilação para o extremo de liberdade, as certezas se tornam fluidas ao preço de um grau cada vez menor de determinismo.

Sempre haverá essa oscilação em gradações diferentes para um lado ou outro. Se o extremo escolhido for o de segurança, o indivíduo de fato terá certezas, mas não se reconhecerá frente ao todo a ponto de ser apenas coisa e facilmente descartável. No outro extremo, o indivíduo é o centro (em detrimento da comunidade) e suas liberdades são o cerne, no entanto o alto grau de liberdade não possibilita segurança quanto ao futuro (BAUMAN, 2003; NASCIMENTO, 2006). Não há um ponto correto ou meio termo entre os extremos para se posicionar o pêndulo, colocando-o estático. Isso se dá em decorrência do dinamismo social que leva à necessidade de se ponderar sempre entre o que é mais adequado: “Cada vez que você tem mais segurança, você entrega um pouco da sua liberdade. Cada vez que você tem mais liberdade, você entrega parte da segurança. Então, você ganha algo e você perde algo” (BAUMAN, 2011).

Viver em sociedade é ao mesmo tempo ganhar e perder, e em decorrência disso as normas jurídicas e sua aplicação são a personificação dessas oscilações, nas quais se que busca encaixar o indivíduo (liberdade) frente ao todo normativo e a paz social alcançada com isso (segurança). Assim, a aplicação da norma precisa ser bem contextualizada para uma maior precisão nessa ponderação.

Uma norma não é um elemento absolutamente estranho onde é aplicada, pois, como já ressaltado, tem por finalidade a pacificação social. Ela deve levar em conta toda a estrutura da qual é fruto, sob pena de ser sufocada por incoerência. É decorrência, outrossim, de valores cultivados pela sociedade que visam disciplinar determinados fatos, ou nos termos tratados acima, oscilações na ordem (REALE, 1979).

Por fim, ao tratar do positivismo jurídico, Silbert confere a este um teor de incompatibilidade com os princípios naturais, que não está sempre presente nos positivistas. Esmiuçando-se o positivismo de cabo a rabo, podem-se constatar diversas correntes diferentes, as quais se pretende elencar neste trabalho, visando uma melhor compreensão das facetas do positivismo jurídico e desmitificação desta “incompatibilidade” entre Direito Positivo e Direito Natural.

No ápice do positivismo jurídico, Hans Kelsen, em sua “Teoria Pura do Direito”, traz a noção da norma “autossuficiente”, rechaçando qualquer possível apelo a postulados fundamentais e necessários, ou seja, ao Direito Natural. Para Kelsen, a validade da norma não se encontra em princípios metafísicos ou superiores, e sim no próprio sistema normativo, numa outra norma, superior a ela, ou na norma fundamental (KELSEN, 1999), mesmo quando tratando-se de leis supra-humanas:

“[…] quando se diz que devemos amar os nossos inimigos porque Jesus, o Filho de Deus, o ordenou no Sermão da Montanha. Em ambos os casos, porém, o fundamento de validade, não expresso, mas pressuposto, não é o fato de Deus ou o Filho de Deus ter posto uma determinada norma num certo tempo e lugar, mas uma norma: a norma segundo a qual devemos obedecer às ordens ou mandamentos de Deus, ou aquela outra segundo a qual devemos obedecer aos mandamentos de Seu Filho.” (KELSEN, 1999)

De tal maneira, Kelsen parte do pressuposto de que a norma só existe enquanto elemento de um sistema normativo, recorrente a uma norma fundamental, formando assim uma ideia de norma como fator autossuficiente, que prescinde de princípios naturais.

Já o jurista inglês Jeremy Bentham, assim como Kelsen, abnegava os princípios abstratos e naturais, mas acreditava que a validade das normas advinha de outra fonte: da sua efetividade. As normas justas eram aquelas que traziam prazer ao indivíduo e contribuíam para a felicidade da população, e as injustas as que traziam dor ou sofrimento. E, por meio desta visão utilitarista, Bentham conclui que a função da ciência do direito era, então, determinar quais normas classificavam-se como “boas” e deveriam ser levadas em consideração. (BENTHAM, 2007)

Porém, prezar pelo direito positivo não requer, necessariamente, uma abominação de todo e qualquer princípio natural. A escola exegética francesa, por exemplo, ilustra o perfeito encontro entre um ideal jusnaturalista e o direito positivado. Ao trazer a ideia de que a totalidade do direito positivo se encontra no texto da lei, e que o jurista deve ater-se a ele com rigor absoluto, alguns já denominá-la-iam de positivista. Porém, os franceses não negam a existência do Direito Natural, pelo contrário: acreditam que os códigos elaborados pela razão eram “a expressão humana do direito natural”, e por isso os juristas deveriam limitar-se à sua exegese, quase que como um texto sagrado. (DINIZ, 2014)

Desta forma, pode-se exemplificar que, assim como em alguns teóricos os conceitos jurídicos são incompatíveis com abstrações e crenças superiores, por vezes, o direito positivado anda de mãos dadas com o Direito Natural, sendo aquele um instrumento deste. E, sendo assim, nota-se que é possível conciliar as duas vertentes para determinadas interpretações do Direito, sem necessariamente recorrer ao Realismo, como dito por Silbert.

Portanto, Silbert, ao se apresentar como realista, conceitua este de uma maneira tão vaga (“ver o direito a sua real faceta”), que se torna impossível denomina-lo como tal. Ademais, ao indicar uma possível incompatibilidade entre o direito natural e positivo, e conceituar aquele de forma errada, Silbert, na verdade, demonstra ser um (jus)naturalista (influenciado, obviamente, por concepções históricas e culturais).


NOTAS:

¹ “O significante vazio ocorre quando um discurso universaliza tanto seus conceitos a ponto de ser impossível de ser significado de forma exata” (MENDONÇA, 2007, p.252


REFERÊNCIAS:

BAUMAN, Zygmunt. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Zygmunt Bauman; tradução Plínio Dentzein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Entrevista concedida pelo renomado sociólogo polonês Zygmunt Bauman ao canal “fronteiras do pensamento” do sítio www.youtube.com no ano de 2011. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=POZcBNo-D4A. Acesso em: 19 jun. 2015.

NASCIMENTO, Maria Medrado. Entre segurança e liberdade: desafios na contemporaneidade. Texto produzido pela mestranda em sociologia na Universidade de Brasília (UnB) no ano de 2006 e tem por referência o livro sociólogo polonês Zygmunt Bauman “Comunidade: a busca por segurança no mundo atual”. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/se/v21n2/a12v21n2.pdf>. Acesso em: 19 jun. 2015.

MIGUEL, Reale. Teoria tridimensional do direito: preliminares históricas e sistemáticas. Miguel Reale. 2. ed. rev. e atualizada. São Paulo: Saraiva, 1979

ORMELESI, Vinícius Fernandes. Princípios Jurídicos e realidade normativa legal. Revista de estudos jurídicos UNESP., v.16, n.23. 2012 .   Disponível em: Available from < http://seer.franca.unesp.br/index.php/estudosjuridicosunesp/article/view/623/657>;. Acessado em 17 Jun 2015

COSTA, Alexandre. Introdução ao Direito. Cap. X: teorias sobre o direito

MENDONÇA, D. de. A teoria da hegemonia de Ernesto Laclau e a análise política brasileira. Ciências Sociais Unisinos. Volume 43. Número 3.

HOLMES, Oliver Wendell. The common law. 47a ed. Boston: Little, Brown and Company. (1881).

ROSS, Alf. Direito e justiça. São Paulo: EDIPRO, 2000.

ODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes.
Introdução ao Realismo Jurídico Norte-Americano / Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy. Brasília: edição do autor, 2013

I’m realistic (“pero no mucho”)

This study aims to analyze a sentence said by Saul Sibert, looking for concepts used by him (natural law, positive law and realistic theory) to demonstrate that, although being a coherent speech to the legal nonprofessional, Sibert, amiss, postulates himself as realistic, using a mistaken definition as argument: he starts from false premises (the definition of natural law) to get to a conclusion near to the empty significant¹.

“You ask me if I’m positivist or naturalist, but this is an overpast frontier. We do not need to be something or other, once there are other approaches. For me, personally, natural law is relevant, but there are only a few principles that can be linked to a valid law apart of any political decision or costumes. Therefore, I am not completely naturalist, but neither completely positivist. In fact, I consider myself realistic, once I recognize in the law its real facet, without the tenets of the positive and naturalist extremism”. (Paul Sibert)

At first, we will analyze what the author calls “natural law”, under the naturalism current. It focuses on a law from nature, above law created by men. It can be divine, recurring mentality in the antiquity and medieval period, inherent of human nature itself, as believed Aristotle, or coming from the reason, according to the Enlightenment (COSTA, 2001).

Apart of its origin, the idea of natural law has been present in several legal cultures (COSTA, 2001). It is recurrent the idea of principles which rule society and under which all laws created by men must be based on, extrapolating costumes and political decisions. Natural law, therefore, is not opposite to positive law (created by men), as implied in the author’s sentence above, but propose ideas that it (positive law) must follow.

As an example there is the “Faith Militant”, on the HBO series Game of Thrones. Create by the queen Cersei Lannister, a group of young fanatics for their faith were armed e authorized by the king to pursue those considered sinners. Although members of this group believe their law was natural, above everything, and must be fulfilled by everyone, their principles were just manipulated by queen Cersei as part of her political game to arrest and punish her enemies.

What is observed in reality is that principles of natural law change according to the society and the historical moment it is inserted. They are not universal and central ideas, but conceptions of the society about what they should be. For a long time people believed natural law was from God’s laws, as preached by Catholic Church. The bourgeois revolutions, throughout 17th and 18th centuries, however, brought new ideas, not based on divine anymore, but on Enlightenment ideas of liberty, equality and fraternity (COSTA, 2001).

It is noticeable that there was a change in the principles taken as natural, coming from a historical moment and which spread out through societies lately. They served as justification of a new positive law suitable to the shown reality in the time, and not as equal and central laws to all societies.

This way, therefore, it is possible to link Sibert’ speech to the influence of historicism current. This, with roots in the dynamic idealism of Hegel, having as the most prominent scholar the German jurist Savigny, points to the direct influence of culture experiences, as shown above in some examples (COSTA, 2001, p.146; ORMELESI, 2012, p.4,5).

Soon after, she would be adopted by lawyers who try to harmonize both conceptions (natural law theory, jusnaturalism and a historicist conception of law), especially Stammler. This proposes a kind of ‘natural law of variable content “(COSTA, 2011, p.147), indicating that the content of natural law is diferent according to the history and culture, but at the same time its function remained constant – being “a prior right to the one made by the men; (…) Seen in a theological way sometimes or in a rationalist one “(ORMELESI, 2012, p.4) -.Because of that, this concept made by Stammler, does not assume the existence of a universal and a priori natural law “inserting the jusnaturalism in the history” (COSTA, 2011 p.147,148).
This conception influences in some ways the Sibert’s speech, once that it also seems to deny the claim of the existence of universal and unchanging natural rights (as can be seen in the phrase in bold in his speech and when he disregards about other principles that were already considered valid by some societies), although, he believes that some conceptions of natural law are valid, reflecting a thought that is based on a temporal context: the validity of the principles of natural law is based on a view that inevitably is influenced by democratic, Western and capitalist context and there historical and cultural. The author, however, is presented as a realist. By presenting some of this theory, we want to demonstrate that the concepts used by the author have some mistakes.
Historically realism emerged in the 30s, but only acquired a significant theoretical importance from the 50s, especially in the United States and the Scandinavian countries. In addition, there are two main thought, the first inspired by psychological realism, Scandinavian, and the second under the influence of sociological realism, US. Both agree to interpret the very validity of the law in reference to terms of social effectiveness of legal rules. Such effectiveness derives from the difference between a current regulations and a law project, considering that the first is active in the legal life of communities and the second is merely a possible future. However, the differences begins when the question of “how to be valid” is raised, and the first path points to the popular legal consciousness and the second for the performance of courts (Ross, 2007).
The Scandinavian school, sees popular legal consciousness as the main core of the validity of a norm, and the application by the courts only a minor aspect. So, it is necessary to ask if the norm is valid, and “the only touchstone and criterion possible for the existence of a legal rule is your consonance with the popular legal consciousness” (Knud Illum, tradução própria). Normally, the public accepts all that is in line followed by the Constitution, but the popular legal consciousness is not, necessarily, the same as the law. Remember that the legal consciousness of the normal people is not enough for this analysis, and is crucial the conscience of the jurists of the country (Ross, 2007).
The American school, was influenced by the so-called sociological realism, that consider that the  legal reality is in itself insert in the legal activity, so the right is effective when there are sufficient evidences to assume that will be accepted by the courts. The mayor exponent of the school is Oliver Holmes (1841-1935), which assumes the necessity of knowing the judges in order to know the Law itself. (Godoy, 2013).
Much of our forecasts, when generalized and reduced to a system, do not form a whole as large or unwieldy. They are presented as a finite body of dogmas that can be mastered within a reasonable time frame. It is a big mistake when scared us with the growing number of tried and judicial precedents. The courts of a given jurisdiction over a generation take into account the set of rights available, interpreting this set from the points of view of the time when the law is applied. We can reconstruct this set […] the use of old decisions is primarily historical […] (HOLMES, 1992, p. 161).
In addition, legal realism and its beaconing between positivism and the naturalistic relativism resemble a balance, which oscillates between the extremes of freedom and security (Nascimento, 2006). As the balance is directed to the security edge (away from freedom), the individual has more certainty about their life projects and how society will behave before their conflicts. The opposite occurring, when the balance swings to the extreme of liberty, the certainties become fluid at the price of a diminishing degree of determinism.
There will always be this oscillation in different gradations one way or another. If the edge chosen is the security one, the individual will have certainties, but will not be recognized across the whole and will be easily disposable. At the other extreme, the individual is the center (at the expense of the community) and their freedoms are the core, however, the high degree of freedom does not enable security for the future (Bauman, 2003; Nascimento, 2006). There is no correct point or middle ground between the extremes to statically position the pendulum. This happens due to the social dynamism that leads to the need to consider always between what is most appropriate: “Every time you choose for more security, you surrender some of your freedom. Every time you have more freedom, you give away part of your security. So you win some and you lose something “(Bauman, 2011).
Living in society is both winning and losing, and as a result, the legal framework and its application are the embodiment of these oscillations, in which it seeks to fit the individual (freedom) against the normative whole and the social peace achieved with this ( security). Thus, the application of the rule needs to be well contextualized for greater precision in this weighting.
A norm is not an absolutely strange element which is applied randomly, because, as already noted, it aims at social peace. It must take into account the whole structure of which is the result, on pain of being smothered by inconsistency. It is, instead, due to values ​​cultivated by society, aimed at disciplining certain facts, or how treated above, fluctuations in the order (REALE, 1979).
Finally, when dealing with legal positivism, Silbert gives this an incompatibility content with the natural principles, which is not always present in positivist. When dissecting positivism to the tail, several different streams can be seen , which this work is intended to list for a better understand of the facets of legal positivism and demystification of this “incompatibility” between positive law and natural law.

At the height of legal positivism, Hans Kelsen, with his “Pure Theory of Law”, brings the “self-sufficiency” norm conception, repelling any possible obsecration to fundamental and necessary postulates, so, to the Natural Law. For Kelsen, norm’s validity is not in metaphysical or higher principles, but is within the normative system, in some other norm, above it, or in the fundamental norm (KELSEN, 1999), even in the case of the superhuman laws:

“[…] when someone says that we must love our enemies because Jesus, Son of God, issued this command in his Sermon on the Mount. But in both cases, the reason for the validity is not that God or his son issued a certain norm at a certain time in a certain place, but the tacitly presupposed norm that one ought to obey the commands of God or his Son. ” (KELSEN, 1999)

Insomuch, Kelsen assumes the fact that the norm just exist while a normative system’s element, appeal to a fundamental norm, forming, thus, a norm’s idea as self-sufficiency factor, that doesn’t need the natural principles.

As Kelsen, Jeremy Betham, known british jurist, denied the abstact and natural principles, but, unlike Kelsen, he believed that the validity of the norms stemmed from another source: its effectiveness. The fair legal regulation was that laws which brought pleasure to the individual and contribute to the happiness of the population, and the unfair was that laws which brought pain or suffering. And, for this utilitarian conception, Bentham concludes that the law science function was, so, determine which norms were classified as “good” and should be taken into consideration. (BENTHAM, 2007)

However, appreciate the positive law does not require, necessarily, an abomination of any natural principle. The French exegetical school, for example, illustrates the perfect meeting between a jusnaturalism ideal and the Positive Legal. For bringing, the idea that total of positive legal is in the “text of the law”, and that the jurist should take into consideration just it with absolute rigor, someone can already call him of positivist. Nevertheless, the French do not deny the existence of Natural Law, contrariwise: they believe that the legal codes prepared by the reason were “the human expression of Natural Law”, and, for this, the jurist should be limited to their exegesis, almost like a sacred text. (DINIZ, 2014)

Thus, can be exemplified that, even as in some legal theorists the concepts are incompatible with abstractions and higher beliefs, sometimes, the Positive Law goes hand in hand with de Natural Law (being the Legal Positive an instrument of the Natural Legal). And, therefore, it is perceived that is possible to reconcile the two strands to certain interpretations of Law, without necessarily resort to Realism theory, as told by Silbert.

Between this and that, when Silbert presents himself as reaslistc, he defines this theory in a manner so vague (“see the Law in its real facet”), which is impossible called him as such. Furthermore, for indicating a possible incompatibility between natural and positive law, and for defining natural law in a wrong way, Silbert, in fact, proves to be a (jus)naturalist, influenced, of course, for historical and cultural conceptions.

NOTES:

¹”The empty signifier occurs when a speech universalizes its concepts so much that is impossible it be set accurately” (MENDONÇA, 2007, p.252)

REFERENCES:
Bauman, Zygmunt. Community: the search for security in today’s world. Zygmunt Bauman; Translation Pliny Dentzein. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.
Bauman, Zygmunt. Interview given by renowned Polish sociologist Zygmunt Bauman to channel “frontiers of thinking” site http://www.youtube.com in 2011. Available at:https://www.youtube.com/watch?v=POZcBNo-D4A . Access on: 19 January 2015.
BIRTH, Maria Medrado. Between security and freedom: challenges nowadays. Text produced by graduate student in sociology at the University of Brasilia (UNB) in 2006 and has as reference the Polish sociologist Zygmunt Bauman book “Community: seeking safety in the world today.” Available at: < http://www.scielo.br/pdf/se/v21n2/a12v21n2 .pdf>.Access on: 19 June 2015.
MIGUEL, Reale. Three-dimensional theory of law: historical and systematic preliminary. Miguel Reale. 2. ed. rev. is updated. São Paulo: Saraiva, 1979
ORMELESI, Vinicius Fernandes. Legal principles and legal regulations reality. Journal of Legal Studies UNESP., V.16, n.23. 2012. Available in: Available from <http://seer.franca.unesp.br/index.php/estudosjuridicosunesp/article/view/623/657 > ;. Accessed on 17 Jun 2015
COSTA, Alexandre. Introduction to Law. Chapter X:. Theories on the right
Mendonca, D.. The theory of hegemony of Ernesto Laclau and the Brazilian political analysis. Social Sciences Unisinos. Volume 43 Number 3 Sep / Dec 2007
Holmes, Oliver Wendell. The common law. 47th ed. Boston: Little, Brown and Company. (1881).
ROSS, Alf. Law and justice. São Paulo: EDIPRO 2000.
ODOY, Arnaldo Sampaio de Moraes. Introduction to Legal Realism US / Arnaldo Sampaio Moraes Godoy. Brasilia: author’s edition, 2013

Hit the hammer! Or not

martelo

The legal order, “in a context of norms with particular relations between themselves” (BOBBIO, 1995), is based, undoubted, by the dogmatic speech. Because of the decision meaning of the juridical practice, is necessary the existence of a group of unquestionable concepts, where the judges can build foundations to construct theories. Since the uncertainty is something unacceptable, in a perspective guide by the Law, is not possible to disagree whit any presupposes made by the legal order, so that, is necessary to create dogmas (COSTA, 2001).

These dogmas, knowing that, in this perspective, they are unquestionable, have an important part in the Law practice. However, are these elements enough for the resolution of any conflict? It is acceptable to say no. The legal order can create an intense search for the completeness, but it will not reach the final objective, truly precision and a big coverage. The norms, for themselves, are frequently not enough, in most case because of your ambiguity, possible chock with another law and for your imprecision in a normative text.

By these reasons, the judge is constantly challenged in a context that is necessary to implement in decisions a metalegal speech. Economics, sociological and philosophical aspects can be where the judges try to find solutions for the black spaces that the norms create, adjusting for a certain social context.

Nonetheless, this way can be really dangerous, since the existence of the dogmatic speech it is indispensable and decisions based just by extralegal should conduct to an unacceptable level of arbitrariness. So, how can be insert this element in the decision making process during social transformation? The graphic can illustrate, in a simple way, the circularity of the dogmatic speech, by their permeability in relation to the metalegal aspects.

grafico ied en

In the graphic, it is possible to notice a simple idea of the standards in the evolution of the dogmatic speech. By adopting a restrict normative perspective, the dogmatic falls into the trap of thinking in the existence of the legal order as a panacea, where the norm have a clearly answer for every conflict, conducting to bring the permeability of the dogmatic to the level of the metalegal aspects, that comes to fill the black spaces of the law. However, the excessive permeability conducts the system to a trap: arbitrary. Not considering the norms creates a big crisis in the system, because the divergence between decisions breaks the legal order, bringing the system to a more intense normative characteristic.

This ordainment creates an environment that the norms do not exist for themselves; they are connected in a juridical system. By the existence of the legal order, that the juridical norms are present. Because of that, in a variety of norms in a certain legal order (especially the complex ones), we will have a lot of problems, like the unity (the knowledge of the legal order as united and valid, in a hierarchical perspective) and the coherency (process of attempt of ease the contradictions). In the end, it is obviously to say that the ordination that appeared to be united and valid brings the completeness (it will try to fill all the black spaces) (BOBBIO, 1995).

Considering what was said, it is noticeable that, in the legal order, the dogmatic speech will be always aiming the completeness, in your last level. So, it exists something near a organization method where the dogmatic speech will fight to seems complete

Besides, it is interesting to show the way dogmatic theology presents itself within the legal order:

venn ied

The Dogmatic theology, according to Kelsen (2006), is the “way rules should be understood”. It helps, according to Costa (2001), in the decision-making process, ensuring some “stability and predictability” in juridical actions, which assures, at least, formal justice between people (equal handling). However, as shown in the diagram above, the dogmatic, despite penetrating the whole legal system, is not applied equally to all. The dogmatic used to assay a factual case in civil law is not the same used by the jurist 19when analyzing criminal law, for example. Nevertheless, there is nothing to stop the convergence to a common dogmatic (COSTA, 2001).

To certify the above distinction, it is possible to use the example of political revolutions defended by Kuhn (compared to scientific revolution): “Political revolutions begin with an increasing feeling (…) of failure of the institutions to respond adequately to the problems imposed by the surroundings” (KUHN, 2013 p.178). During political revolutions, a new legal order can or cannot be created (like the passage from monarchy to republic), which does not interpose in the Dogmatic theology’s existence. In other means, the legal order is changeable (may be even inexistent, as in communist system), but not the dogmatic: while there is a decisive phenomenon, there will be dogmatic. Once these definitions are enlightened, we will be able to discuss the dogmatic point of view of completeness in a complex legal order.

Assuming that there will be necessarily a decision and it will be based on a rule of law integral system (BOBBIO, 1997), there is the dogmatization of completeness (the reason of a system, as seen above), in other words, the pacification of demands. This way, the judge will not have space to select cases: once caused, then it will come to judgment¹.

Although there is not the demand of a perfect and complete legal order, casual antinomies may appear, being the judge up to solve them by the provided tools, like normative integration. If the rule itself or any other rule with the same hierarchy, which deals with similar cases, are not enough, there is a climbing through the normative pyramid looking for decision support (BOBBIO, 1995).

However, this search cannot be provided with inconsistency, once, when referring to normative unit, the intention is to abstract from it principles which harmonize everything, so that even with a possible gap, filling the spaces is consistent. We can’t mistake, nevertheless, filling with freedom to create some strange law to the system: a rule, while part of a unit, always looks for validity in some above (KELSEN, 2006),   once innovating without considering that it is totally arbitrary.

This way, the dogma of completeness has the function to bring certainty of an answer. However, considering the legal phenomena which modify society ever faster and also that rules are incapable to follow it, it is noticeable, trying to fulfill the duty of judging, more occurrences of abstraction that extrapolate standard laws to factual cases. The resulting problem is, as said, the uncertainty of being installed on the legal system and the consequent change of roles of the person who create the rules and who apply it. When this occurs, normally, positive rules yield in its dogmas, aiming to avoid the appearance of antinomies e, in consequence, not restrict the role of legislator.

Therefore, it is possible to abstract that Law is presupposed to answer and avoid, in some way, excessive digression that does not bring certainty. This way, by saying “everything is relative” we do not create an absolute which any argumentative base can disappear in an eventual contradiction or non-acceptance otherwise than the intended meaning. The very enunciation, when widespread, is distorted: if everything is relative, the very sentence is suspended, concluding that not everything is relative and there will be no relatable situations.

Footnotes:

¹There will always be a sentence, even when the judge decides, like in non liquet, that Law can’t answer the case, for example. However, it is possible to say that, even in this case, there will be a dogmatic.

References:

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasília: Universidade de Brasília Publisher, 1995, 6th ed.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Chapter V: Dinâmica Jurídica.

COSTA, Alexandre. Introdução ao Direito. Chapter II: normas jurídicas

Descendo o Martelo. Ou não!

martelo O ordenamento jurídico enquanto “contexto de normas com relações particulares entre si” (BOBBIO, 1995) é pautado, impreterivelmente, pelo discurso dogmático. Por conta do teor decisivo da prática jurídica, faz-se necessária a existência de um conjunto de conceitos inquestionáveis, onde o jurista possa encontrar um alicerce para a construção de suas teorias. Visto que a indefinição prolongada é algo inaceitável à prática do Direito, não se pode questionar todo e qualquer pressuposto do ordenamento jurídico, sendo necessário o estabelecimento de dogmas. (COSTA, 2001)

Esses dogmas, na função de pressupostos inquestionáveis, têm papel fundamental ao exercício do Direito. Porém, são eles elementos suficientes para a resolução de todo e qualquer conflito? Pode-se dizer que não. Por mais que o ordenamento jurídico viva uma intensa busca pela completude, por uma maior abrangência e precisão interpretativa, ainda não se atingiu este status, e dificilmente atingir-se-á. A norma por si só mostra-se, frequentemente, insuficiente, seja pela sua ambiguidade, por uma possível antinomia – um choque com outra norma -, ou mesmo por uma imprecisão do texto normativo. (BOBBIO, 1995)

Sendo assim, o jurista depara-se constantemente com situações em que é necessário recorrer a elementos metajurídicos no que tange à tomada de decisões. Fatores econômicos, sociológicos ou até filosóficos se tornam fontes de onde o jurista pode beber para decidir de maneira mais coerente, preenchendo as lacunas da norma e adequando-a ao contexto social em que vive.

Entretanto, esse caminho pode se mostrar bastante perigoso, no sentido de que é necessária ao Direito, a existência do discurso dogmático, pois se assim não o fosse, as decisões pautadas apenas nos fatores extralegais conduziriam o sistema a um nível inaceitável de arbitrariedade. Então, como se dá o balizamento da introdução desses fatores além-norma no processo de tomada de decisões ao longo das transformações sociais? O gráfico a seguir pode ilustrar, de maneira simplificada, a circularidade do desenvolvimento do discurso dogmático, por meio da sua permeabilidade em relação a fatores metajurídicos.

gráfico ied


Do gráfico acima, pode-se extrair uma ideia simplificada de como funciona o padrão de evolução do discurso dogmático. Ao adotar uma postura estritamente normativa, a dogmática cai na armadilha já citada, de acreditar na ficção do ordenamento jurídico como panaceia, onde a norma tem uma resposta para todos os conflitos, e isto conduz a uma elevação da permeabilidade da dogmática aos fatores metajurídicos, que vêm no intuito de preencher as lacunas da lei. Porém, a permeabilidade excessiva também conduz o sistema a uma armadilha: a da arbitrariedade. Deixar de lado as normas faz com que o sistema entre em crise, pois a divergência das decisões põe em cheque a unidade do ordenamento jurídico, fazendo com que haja, novamente, uma maior normatização do sistema, e assim por diante.

Neste ordenamento, como supracitado, as normas não existem por si só, elas relacionam-se entre si, consubstanciando, portanto, num sistema jurídico. Logo, é por existirem ordenamentos que as normas jurídicas se fazem presentes. Diante de tal fato, pela grande diversidade de normas em um ordenamento jurídico (sobretudo os complexos), teremos alguns problemas dele decorrentes, como a unidade (o entendimento do ordenamento como uno e válido, a partir de uma análise hierárquica) e a coerência (a tentativa de mitigação das contradições). Por fim, é tautológico que o ordenamento que se mostra uno e sistemático, concomitantemente, tenderá à completude (buscará a extinção das lacunas).  (BOBBIO, 1995)

Destarte acima, é perceptível que, dentro deste ordenamento, haverá um discurso dogmático visando sempre à completude, em último grau. Logo, há uma espécie de escalonamento, no qual o discurso dogmático dentro desse sistema jurídico buscará sempre se mostrar completo.

Ademais, é interessante salientar o modo como o discurso dogmático se apresenta dentro desse ordenamento jurídico: ied1 A dogmática, segundo Kelsen (2006), é o “modo pelo qual as regras devem ser entendidas”. Ela auxilia, segundo Costa (2001), no processo de tomada de decisão, garantindo uma “estabilidade e previsibilidade” nas ações jurídicas, que garantem, ao menos, a justiça formal entre as pessoas (o igual tratamento). Entretanto, como mostra o quadro acima, a dogmática, apesar de permear todo o ordenamento jurídico, não se apresenta igualmente em todos. A dogmática usada para tratar de um caso concreto no direito civil não é a mesma que o jurista usará quando tratar do direito penal, por exemplo. No entanto, nada impede que haja a convergência de uma dogmática comum. (COSTA, 2001)

Para corroborar a distinção acima, vale-se usar do exemplo de revoluções políticas abordado por Kuhn (que a compara com uma revolução científica): “As revoluções políticas iniciam-se com um sentimento crescente (…) de que as instituições existentes deixaram de responder adequadamente aos problemas postos por um meio” (KUHN, 2013 p.178). Na ocorrência de revoluções políticas, um novo ordenamento jurídico pode ou não ser desencadeado (uma passagem da Monarquia para a República, por exemplo), o que não interfere na existência do discurso dogmático. Em outras palavras, o ordenamento jurídico é mutável (podendo até inexistir, a exemplo de um regime comunista), já a dogmática não: enquanto houver um fenômeno decisivo, haverá dogmática. Tendo esclarecidas estas definições, pode-se tratar agora do discurso dogmático da completude num ordenamento jurídico complexo.

Pressupondo que necessariamente haverá uma decisão e que esta tomará por base uma norma jurídica integrante do sistema (BOBBIO, 1997), tem-se a dogmatização da completude (o fim último de um ordenamento, como visto acima), ou seja, a de que as demandas serão pacificadas. Ao julgador não haverá, desta forma, espaço para selecionar casos: uma vez provocado, em seguida virá a sentença¹.

Embora não se exija a perfeição de um ordenamento jurídico para considerá-lo completo, eventuais antinomias podem surgir e ao julgador são disponibilizados instrumentos para buscar solução, a exemplo da integração normativa. Se a norma em si ou outra de mesma hierarquia que trata de caso semelhante não são suficientes, inicia-se uma escalada na pirâmide normativa com o intuito de buscar respaldo decisório. (BOBBIO, 1995)

Acrescenta-se, entretanto, que essa busca não pode se macular de incoerência, pois, ao consultar a unidade normativa, o intuito é abstrair dela princípios que harmonizem o todo de forma que, mesmo numa eventual lacuna, o preenchimento dos espaços seja coerente. Não há que se confundir, todavia, preenchimento com liberdade para criar direito alienígena ao sistema: uma norma enquanto pertencente a uma unidade sempre busca validade em outra logo acima (KELSEN, 2006), ao passo que inovar desconsiderando totalmente isso é arbitrariedade do julgador.

Assim, o dogma da completude tem sua função de trazer certeza de resposta. No entanto, considerando os fenômenos metajurídicos que modificam a sociedade cada vez mais rapidamente e também que as normas são incapazes de acompanhar isso, é perceptível, na busca de atender ao dever de julgar, uma maior ocorrência de abstrações que extrapolem as normas previstas para o caso concreto. O perigo decorrente disso é, como supracitado, a incerteza que eventualmente possa se instalar no sistema jurídico e uma consequente inversão de papéis entre quem edita normas e os aplicadores das mesmas. Quando isso ocorre, comumente, as normas positivadas tendem a ceder em seus dogmas, com o intuito de evitarem a proliferação de antinomias e, na sequência, não se ver diminuído o papel do legislador.

Portanto, é possível abstrair que o Direito tem por pressuposto dar uma resposta e evitar, em certa medida, a excessiva divagação que não traga certezas. Assim, ao se enunciar “tudo é relativo” não se cria um absoluto em que qualquer base argumentativa possa ser pulverizada numa eventual contradição ou não aceitação em sentido contrário do pretendido. A própria enunciação, quando generaliza, se distorce: se tudo é relativo, logo até a própria frase é suspensa e, em conclusão, nem tudo é relativo e haverá situações não relativizáveis.


Notas:

¹A sentença sempre irá vir, mesmo quando o juiz decida, como no non liquet, que o Direito não pode responder o caso, por exemplo. No entanto, vale afirmar que, mesmo nesse caso, haverá uma dogmática.


Referencias:

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995, 6ª ed.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Cap. V: Dinâmica Jurídica.

COSTA, Alexandre. Introdução ao Direito. Cap. II: normas jurídicas

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 12ª ed.,  São Paulo: Perspectiva, 2013