Hit the hammer! Or not

martelo

The legal order, “in a context of norms with particular relations between themselves” (BOBBIO, 1995), is based, undoubted, by the dogmatic speech. Because of the decision meaning of the juridical practice, is necessary the existence of a group of unquestionable concepts, where the judges can build foundations to construct theories. Since the uncertainty is something unacceptable, in a perspective guide by the Law, is not possible to disagree whit any presupposes made by the legal order, so that, is necessary to create dogmas (COSTA, 2001).

These dogmas, knowing that, in this perspective, they are unquestionable, have an important part in the Law practice. However, are these elements enough for the resolution of any conflict? It is acceptable to say no. The legal order can create an intense search for the completeness, but it will not reach the final objective, truly precision and a big coverage. The norms, for themselves, are frequently not enough, in most case because of your ambiguity, possible chock with another law and for your imprecision in a normative text.

By these reasons, the judge is constantly challenged in a context that is necessary to implement in decisions a metalegal speech. Economics, sociological and philosophical aspects can be where the judges try to find solutions for the black spaces that the norms create, adjusting for a certain social context.

Nonetheless, this way can be really dangerous, since the existence of the dogmatic speech it is indispensable and decisions based just by extralegal should conduct to an unacceptable level of arbitrariness. So, how can be insert this element in the decision making process during social transformation? The graphic can illustrate, in a simple way, the circularity of the dogmatic speech, by their permeability in relation to the metalegal aspects.

grafico ied en

In the graphic, it is possible to notice a simple idea of the standards in the evolution of the dogmatic speech. By adopting a restrict normative perspective, the dogmatic falls into the trap of thinking in the existence of the legal order as a panacea, where the norm have a clearly answer for every conflict, conducting to bring the permeability of the dogmatic to the level of the metalegal aspects, that comes to fill the black spaces of the law. However, the excessive permeability conducts the system to a trap: arbitrary. Not considering the norms creates a big crisis in the system, because the divergence between decisions breaks the legal order, bringing the system to a more intense normative characteristic.

This ordainment creates an environment that the norms do not exist for themselves; they are connected in a juridical system. By the existence of the legal order, that the juridical norms are present. Because of that, in a variety of norms in a certain legal order (especially the complex ones), we will have a lot of problems, like the unity (the knowledge of the legal order as united and valid, in a hierarchical perspective) and the coherency (process of attempt of ease the contradictions). In the end, it is obviously to say that the ordination that appeared to be united and valid brings the completeness (it will try to fill all the black spaces) (BOBBIO, 1995).

Considering what was said, it is noticeable that, in the legal order, the dogmatic speech will be always aiming the completeness, in your last level. So, it exists something near a organization method where the dogmatic speech will fight to seems complete

Besides, it is interesting to show the way dogmatic theology presents itself within the legal order:

venn ied

The Dogmatic theology, according to Kelsen (2006), is the “way rules should be understood”. It helps, according to Costa (2001), in the decision-making process, ensuring some “stability and predictability” in juridical actions, which assures, at least, formal justice between people (equal handling). However, as shown in the diagram above, the dogmatic, despite penetrating the whole legal system, is not applied equally to all. The dogmatic used to assay a factual case in civil law is not the same used by the jurist 19when analyzing criminal law, for example. Nevertheless, there is nothing to stop the convergence to a common dogmatic (COSTA, 2001).

To certify the above distinction, it is possible to use the example of political revolutions defended by Kuhn (compared to scientific revolution): “Political revolutions begin with an increasing feeling (…) of failure of the institutions to respond adequately to the problems imposed by the surroundings” (KUHN, 2013 p.178). During political revolutions, a new legal order can or cannot be created (like the passage from monarchy to republic), which does not interpose in the Dogmatic theology’s existence. In other means, the legal order is changeable (may be even inexistent, as in communist system), but not the dogmatic: while there is a decisive phenomenon, there will be dogmatic. Once these definitions are enlightened, we will be able to discuss the dogmatic point of view of completeness in a complex legal order.

Assuming that there will be necessarily a decision and it will be based on a rule of law integral system (BOBBIO, 1997), there is the dogmatization of completeness (the reason of a system, as seen above), in other words, the pacification of demands. This way, the judge will not have space to select cases: once caused, then it will come to judgment¹.

Although there is not the demand of a perfect and complete legal order, casual antinomies may appear, being the judge up to solve them by the provided tools, like normative integration. If the rule itself or any other rule with the same hierarchy, which deals with similar cases, are not enough, there is a climbing through the normative pyramid looking for decision support (BOBBIO, 1995).

However, this search cannot be provided with inconsistency, once, when referring to normative unit, the intention is to abstract from it principles which harmonize everything, so that even with a possible gap, filling the spaces is consistent. We can’t mistake, nevertheless, filling with freedom to create some strange law to the system: a rule, while part of a unit, always looks for validity in some above (KELSEN, 2006),   once innovating without considering that it is totally arbitrary.

This way, the dogma of completeness has the function to bring certainty of an answer. However, considering the legal phenomena which modify society ever faster and also that rules are incapable to follow it, it is noticeable, trying to fulfill the duty of judging, more occurrences of abstraction that extrapolate standard laws to factual cases. The resulting problem is, as said, the uncertainty of being installed on the legal system and the consequent change of roles of the person who create the rules and who apply it. When this occurs, normally, positive rules yield in its dogmas, aiming to avoid the appearance of antinomies e, in consequence, not restrict the role of legislator.

Therefore, it is possible to abstract that Law is presupposed to answer and avoid, in some way, excessive digression that does not bring certainty. This way, by saying “everything is relative” we do not create an absolute which any argumentative base can disappear in an eventual contradiction or non-acceptance otherwise than the intended meaning. The very enunciation, when widespread, is distorted: if everything is relative, the very sentence is suspended, concluding that not everything is relative and there will be no relatable situations.

Footnotes:

¹There will always be a sentence, even when the judge decides, like in non liquet, that Law can’t answer the case, for example. However, it is possible to say that, even in this case, there will be a dogmatic.

References:

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasília: Universidade de Brasília Publisher, 1995, 6th ed.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Chapter V: Dinâmica Jurídica.

COSTA, Alexandre. Introdução ao Direito. Chapter II: normas jurídicas

Anúncios

Descendo o Martelo. Ou não!

martelo O ordenamento jurídico enquanto “contexto de normas com relações particulares entre si” (BOBBIO, 1995) é pautado, impreterivelmente, pelo discurso dogmático. Por conta do teor decisivo da prática jurídica, faz-se necessária a existência de um conjunto de conceitos inquestionáveis, onde o jurista possa encontrar um alicerce para a construção de suas teorias. Visto que a indefinição prolongada é algo inaceitável à prática do Direito, não se pode questionar todo e qualquer pressuposto do ordenamento jurídico, sendo necessário o estabelecimento de dogmas. (COSTA, 2001)

Esses dogmas, na função de pressupostos inquestionáveis, têm papel fundamental ao exercício do Direito. Porém, são eles elementos suficientes para a resolução de todo e qualquer conflito? Pode-se dizer que não. Por mais que o ordenamento jurídico viva uma intensa busca pela completude, por uma maior abrangência e precisão interpretativa, ainda não se atingiu este status, e dificilmente atingir-se-á. A norma por si só mostra-se, frequentemente, insuficiente, seja pela sua ambiguidade, por uma possível antinomia – um choque com outra norma -, ou mesmo por uma imprecisão do texto normativo. (BOBBIO, 1995)

Sendo assim, o jurista depara-se constantemente com situações em que é necessário recorrer a elementos metajurídicos no que tange à tomada de decisões. Fatores econômicos, sociológicos ou até filosóficos se tornam fontes de onde o jurista pode beber para decidir de maneira mais coerente, preenchendo as lacunas da norma e adequando-a ao contexto social em que vive.

Entretanto, esse caminho pode se mostrar bastante perigoso, no sentido de que é necessária ao Direito, a existência do discurso dogmático, pois se assim não o fosse, as decisões pautadas apenas nos fatores extralegais conduziriam o sistema a um nível inaceitável de arbitrariedade. Então, como se dá o balizamento da introdução desses fatores além-norma no processo de tomada de decisões ao longo das transformações sociais? O gráfico a seguir pode ilustrar, de maneira simplificada, a circularidade do desenvolvimento do discurso dogmático, por meio da sua permeabilidade em relação a fatores metajurídicos.

gráfico ied


Do gráfico acima, pode-se extrair uma ideia simplificada de como funciona o padrão de evolução do discurso dogmático. Ao adotar uma postura estritamente normativa, a dogmática cai na armadilha já citada, de acreditar na ficção do ordenamento jurídico como panaceia, onde a norma tem uma resposta para todos os conflitos, e isto conduz a uma elevação da permeabilidade da dogmática aos fatores metajurídicos, que vêm no intuito de preencher as lacunas da lei. Porém, a permeabilidade excessiva também conduz o sistema a uma armadilha: a da arbitrariedade. Deixar de lado as normas faz com que o sistema entre em crise, pois a divergência das decisões põe em cheque a unidade do ordenamento jurídico, fazendo com que haja, novamente, uma maior normatização do sistema, e assim por diante.

Neste ordenamento, como supracitado, as normas não existem por si só, elas relacionam-se entre si, consubstanciando, portanto, num sistema jurídico. Logo, é por existirem ordenamentos que as normas jurídicas se fazem presentes. Diante de tal fato, pela grande diversidade de normas em um ordenamento jurídico (sobretudo os complexos), teremos alguns problemas dele decorrentes, como a unidade (o entendimento do ordenamento como uno e válido, a partir de uma análise hierárquica) e a coerência (a tentativa de mitigação das contradições). Por fim, é tautológico que o ordenamento que se mostra uno e sistemático, concomitantemente, tenderá à completude (buscará a extinção das lacunas).  (BOBBIO, 1995)

Destarte acima, é perceptível que, dentro deste ordenamento, haverá um discurso dogmático visando sempre à completude, em último grau. Logo, há uma espécie de escalonamento, no qual o discurso dogmático dentro desse sistema jurídico buscará sempre se mostrar completo.

Ademais, é interessante salientar o modo como o discurso dogmático se apresenta dentro desse ordenamento jurídico: ied1 A dogmática, segundo Kelsen (2006), é o “modo pelo qual as regras devem ser entendidas”. Ela auxilia, segundo Costa (2001), no processo de tomada de decisão, garantindo uma “estabilidade e previsibilidade” nas ações jurídicas, que garantem, ao menos, a justiça formal entre as pessoas (o igual tratamento). Entretanto, como mostra o quadro acima, a dogmática, apesar de permear todo o ordenamento jurídico, não se apresenta igualmente em todos. A dogmática usada para tratar de um caso concreto no direito civil não é a mesma que o jurista usará quando tratar do direito penal, por exemplo. No entanto, nada impede que haja a convergência de uma dogmática comum. (COSTA, 2001)

Para corroborar a distinção acima, vale-se usar do exemplo de revoluções políticas abordado por Kuhn (que a compara com uma revolução científica): “As revoluções políticas iniciam-se com um sentimento crescente (…) de que as instituições existentes deixaram de responder adequadamente aos problemas postos por um meio” (KUHN, 2013 p.178). Na ocorrência de revoluções políticas, um novo ordenamento jurídico pode ou não ser desencadeado (uma passagem da Monarquia para a República, por exemplo), o que não interfere na existência do discurso dogmático. Em outras palavras, o ordenamento jurídico é mutável (podendo até inexistir, a exemplo de um regime comunista), já a dogmática não: enquanto houver um fenômeno decisivo, haverá dogmática. Tendo esclarecidas estas definições, pode-se tratar agora do discurso dogmático da completude num ordenamento jurídico complexo.

Pressupondo que necessariamente haverá uma decisão e que esta tomará por base uma norma jurídica integrante do sistema (BOBBIO, 1997), tem-se a dogmatização da completude (o fim último de um ordenamento, como visto acima), ou seja, a de que as demandas serão pacificadas. Ao julgador não haverá, desta forma, espaço para selecionar casos: uma vez provocado, em seguida virá a sentença¹.

Embora não se exija a perfeição de um ordenamento jurídico para considerá-lo completo, eventuais antinomias podem surgir e ao julgador são disponibilizados instrumentos para buscar solução, a exemplo da integração normativa. Se a norma em si ou outra de mesma hierarquia que trata de caso semelhante não são suficientes, inicia-se uma escalada na pirâmide normativa com o intuito de buscar respaldo decisório. (BOBBIO, 1995)

Acrescenta-se, entretanto, que essa busca não pode se macular de incoerência, pois, ao consultar a unidade normativa, o intuito é abstrair dela princípios que harmonizem o todo de forma que, mesmo numa eventual lacuna, o preenchimento dos espaços seja coerente. Não há que se confundir, todavia, preenchimento com liberdade para criar direito alienígena ao sistema: uma norma enquanto pertencente a uma unidade sempre busca validade em outra logo acima (KELSEN, 2006), ao passo que inovar desconsiderando totalmente isso é arbitrariedade do julgador.

Assim, o dogma da completude tem sua função de trazer certeza de resposta. No entanto, considerando os fenômenos metajurídicos que modificam a sociedade cada vez mais rapidamente e também que as normas são incapazes de acompanhar isso, é perceptível, na busca de atender ao dever de julgar, uma maior ocorrência de abstrações que extrapolem as normas previstas para o caso concreto. O perigo decorrente disso é, como supracitado, a incerteza que eventualmente possa se instalar no sistema jurídico e uma consequente inversão de papéis entre quem edita normas e os aplicadores das mesmas. Quando isso ocorre, comumente, as normas positivadas tendem a ceder em seus dogmas, com o intuito de evitarem a proliferação de antinomias e, na sequência, não se ver diminuído o papel do legislador.

Portanto, é possível abstrair que o Direito tem por pressuposto dar uma resposta e evitar, em certa medida, a excessiva divagação que não traga certezas. Assim, ao se enunciar “tudo é relativo” não se cria um absoluto em que qualquer base argumentativa possa ser pulverizada numa eventual contradição ou não aceitação em sentido contrário do pretendido. A própria enunciação, quando generaliza, se distorce: se tudo é relativo, logo até a própria frase é suspensa e, em conclusão, nem tudo é relativo e haverá situações não relativizáveis.


Notas:

¹A sentença sempre irá vir, mesmo quando o juiz decida, como no non liquet, que o Direito não pode responder o caso, por exemplo. No entanto, vale afirmar que, mesmo nesse caso, haverá uma dogmática.


Referencias:

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1995, 6ª ed.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Cap. V: Dinâmica Jurídica.

COSTA, Alexandre. Introdução ao Direito. Cap. II: normas jurídicas

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. 12ª ed.,  São Paulo: Perspectiva, 2013

Em nome da empatia ou da liberdade?

animais

Tudo começou por volta do século XV, quando os portugueses começaram a trazer escravos do continente africano para virem trabalhar nas terras brasileiras. Dessa maneira, a entrada de escravos estrangeiros foi maciça, fazendo com que historiadores estimassem em mais de 11 milhões, entre os séculos XV e XIX (SOUSA, 2012). Assim, é inquestionável a influência africana na formação da matriz cultural brasileira. Tal influência é visível, sobretudo na religião.

Entender uma religião e perceber essa matriz africana não é um privilégio somente dos praticantes e professadores daquela fé, sendo possível essa percepção a todos os brasileiros, sobretudo pela divulgação da mesma nos meios de comunicação. Nesse sentido, um grande cenário de músicas brasileiras, bem como de festas populares, é capaz de transmitir algumas das características e significados daquela religião. Dessa maneira, grandes nomes das MPB (Música popular Brasileira) são conhecidos por consubstanciar tal missão. Clara Nunes, por exemplo, teve sua carreira e música analisa pela cientista social Rachel Bakke, que identificou essa missão em músicas como “Brasil mestiço santuário da fé” (BAKKE, 2007). Ademais, essa missão é percebida principalmente nos sambas (sobretudo sambas-enredos), tendo sambistas como Martinho da Villa entoando músicas como Salve todas as nações do Candoblé” ¹.

Em havendo tal fenômeno, este trabalho se propõe a analisar um dos aspectos presentes nessas religiões de matriz africana, sobretudo o Candoblé e Ubanda: a realização de rituais, em homenagem aos deuses, que sacrificam e “torturam” animais. Sabendo da existência destes, o trabalho irá analisar os dissensos doutrinários e jurídicos entre o direito fundamental à liberdade de culto e os direitos ambientais , construindo uma argumentação com base na Teoria de Ordenamentos Jurídicos (BOBBIO, 1995) e os problemas nela presentes, de acordo com Bobbio ².

Primeiramente, trata-se de deixar claro os dois princípios constitucionais que aqui se conflitam. O primeiro trata-se de um direito fundamental presente o artigo 5º, inciso VI da Carta Magna: “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias” (Constituição Federal, 1988). O segundo trata-se do direito ambiental, presente tanto no Artigo 225, da mesma Carta, sobretudo no seu inciso VII, que garante a proteção a fauna, proibindo práticas que possam prejudicá-la, como também em diversas leis esparsas. O grupo, até então, acreditava que se passava por uma “simples” divergência entre dois artigos constitucionais. Entretanto, em uma pesquisa mais aprofundada, encontra-se elementos que problematizam mais ainda tal disputa de princípios de liberdade religiosa e direito ambiental.

Destarte, é clara a presença de um ordenamento jurídico complexo Brasileiro, assim como teorizado por Bobbio. Para analisar mais profundamente essa questão, faz-se mister entender, concomitantemente, o ordenamento jurídico brasileiro e os problemas decorrentes dele nessa questão conflituosa. É necessária, primeiramente, a análise dos artigos suscitados por esse conflito, usando a nomenclatura defendida por Bobbio, para tentar buscar uma posição privilegiada para analisar o conflito. Os artigos 5º e 225º regulam o comportamento das pessoas (físicas e jurídicas), enquanto o artigo 23º, por exemplo, regula acerca da produção normativa (nas demais esferas, como a municipal) posterior.³

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações.

Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios

Na análise do ordenamento jurídico brasileiro, a unidade nele presente se dá na norma fundamental presente na Carta Magna. “O poder emana do povo” (presente no parágrafo única do artigo 1º da Constituição Federal de 1988) representa a unidade do ordenamento brasileiro, bem como concede a validade das normas do sistema brasileiro produzida pelas demais fontes, assim como defende Bobbio (1995). Uma norma fundamental, como essa, consubstancia na unidade de um ordenamento jurídico complexo, como no brasileiro (defendido em questão). Bobbio traz uma série de analises de normas fundamentais que podem garantir a unidade de um ordenamento, como “o poder emana de Deus”, ou afirmar a existência de uma lei natural que garante tal fato, por exemplo (Bobbio, 1995, p.64,65). Portanto, na análise do sistema jurídico brasileiro é claro sua unidade, e, com isso, não se pode afirmar que tal conflito entre princípios constitucionais afetam a unidade do ordenamento, muito pelo contrário, ela sempre deve existir e ser clara para o ordenamento jurídico ser considerado uno e válido.

Além disso, é valido também analisar tal conflito dentro do aspecto da completude de um ordenamento jurídico, representado pelo brasileiro. A ideia de completude de um ordenamento jurídico pressupõe que ele é capaz de dar resposta a todos os casos que são levados à apreciação da justiça (BOBBIO, 1995). No âmbito da justiça brasileira, o Poder Judiciário não pode se imiscuir em solucionar as lides que eventualmente forem levadas a ele, por força de mandamento constitucional, conforme expresso no art. 5, inciso XXXV da Constituição Federal de 1988;

“XXXV – a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito” (Constituição Federal, 1988).

Assim, a jurisdição é quase que uma fatalidade: o juiz, enquanto autoridade competente e munida de poder para tanto, dirá o Direito num caso concreto. Ocorre que, dada a velocidade das mudanças que ocorrem na sociedade e, também, a singularidade dos inúmeros de situações que se apresentam a receber jurisdição, somente o direito positivado não é suficiente para responder com precisão, pois, do contrário, o intérprete seria desnecessário, pois apenas o legislador, que daria a interpretação, o alcance da normas e diria o que fazer nas situações concretas, causando um excesso de poder numa única figura. Por conta disso, a Lei de Introdução as Normas do Direito Brasileiro, Decreto-Lei n.° 4.657 de 1942, no seu artigo 4º, abre margem para que a jurisdição empregue algumas técnicas numa eventual lacuna normativa;

“Art. 4º Quando a lei for omissa, o juiz decidirá o caso de acordo com a analogia, os costumes e os princípios gerais de direito” (Constituição Federal, 1988).

Obedecendo a sequência, analogia seria, então, empregar a um caso concreto não previsto em lei as mesmas disposições que um caso semelhante que tenha previsão legal. Seria buscar adaptar, grosso modo, a interpretação da legislação para que esta se amplie e alcance essas novas situações levadas ao juiz (BOBBIO, 1995). Os costumes, por seu turno, referem-se a uma criação espontânea da sociedade, como um hábito que é construído com o tempo, no entanto lembrando que os costumes que contrariam a lei (contra legem) não são suficientemente fortes para que um juiz na apreciação de um caso concreto deixe de aplicar o direito positivado. Não é porque a população tem por hábito cometer determinado ato ilícito que a lei perderá vigência, em grande parte dos casos a função da lei é justamente evitar a recorrência de determinado costume danoso. Os costumes levados em consideração são os a favor da lei (secundum legem) e os que além de obedecer a lei se prestam a expandir seu alcance (praeter legem).Por último, há a técnica de interpretação que leva em consideração os princípios gerais do Direito. São construções teóricas que harmonizarão o corpo de um determinado ordenamento jurídico para que não lhe falte coerência, servindo como elo entre as inúmeras normas e ao final formando um todo coeso.

Tendo por base o exposto e considerando a constante luta pelos direitos dos animais e que a legislação brasileira regula e proíbe coíbe abusos em determinadas situações (mesmo que na esfera penal encontrem punições severas para os casos de tráficos de animais, matar animais silvestres, maus tratos e outros), ponderações como a referente à dignidade animal ainda não encontram muito espaço no corpo normativo, de forma que os juízes se valem de técnicas interpretativas para dar solução a determinado casos. Contudo, o direito constitui um sistema ordenado, reunindo normas e leis de forma hierarquizada e que não podem entrar em contradição. Dessa maneira, as leis não estão restritas à livre interpretação e aplicação por juízes, estando contidas em um sistema maior de regulamentação.

É desejável, portanto, evitar possíveis desacordos entre as regras vigentes, denominados de “antinomias”. Como forma de exemplo, em um caso considerado peculiar, a 2ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, determinou a construção de um centro para acolher e tratar animais abandonados. Isso entrou em desacordo com a administração do município onde ocorreu o fato, que alegou não ter recursos suficientes para tal realização, tendo que retirar verbas da saúde para isso. Isso pode ser visto como um claro de exemplo de desacordo de normas, de um lado está o município e suas atribuições regulamentárias, do outro está a Constituição Federal, que determina que no Brasil o Poder Público tem o dever de proteger a fauna e a flora (artigo 225, parágrafo 1º, inciso VII). Prevalece assim a determinação da Constituição, na figura do Tribunal de Justiça, que possui uma hierarquia maior dentro dos critérios estabelecidos contra as “antinomias”. Assim, como forma de impedir essa “antinomias”, definiu-se os seguintes critérios de prioridade das leis: cronologia, hierarquia e especialidade (BOBBIO, 1995). A cronologia prioriza uma lei mais recente diante de uma arcaica, visto prováveis mudanças no transcorrer do tempo que podem influenciar na validade de uma norma. Já a hierarquia define que uma lei de hierarquia maior sempre prevalece diante uma de hierarquia menor. Esse é o caso da constituição brasileira e normas estaduais, por exemplo, em que uma norma estadual jamais pode estar de encontro à magna carta.Por fim tem-se o critério da especialidade, em que uma lei especial (ou excepcional) tem prioridade sobre uma geral, visto que a regra geral deve ser indutiva, partindo de casos particulares. Dessa maneira, uma lei excepcional deve alterar a lei geral, e não o contrário, tendo, portanto, prioridade (BOBBIO, 1995).

Considerando todas essas afirmações, é possível dizer que o  direito à vida animal é instituído no inciso 1º do artigo 225 da Constituição Federal de 1988, e tem caráter essencial à proposta constitucional de proteção do meio ambiente, que inclui a conservação da fauna, flora, recursos minerais e ecossistemas como um todo. Porém, em contraponto, há o direito à liberdade religiosa, assegurado pelo artigo 5º da Constituição, onde consta que “é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias.”

Há, portanto, nos casos de sacrifícios animais em ritos religiosos, uma clara colisão entre normas constitucionais. Dito isso, é requerida uma análise a respeito de quais critérios a doutrina jurídica emprega para a tomada de decisão em situações como esta. Partindo desta análise da doutrina, visando o Princípio da Proporcionalidade, é notável a ponderação favorável ao direito de liberdade religiosa, que constitui-se como direito fundamental, diretamente ligado ao bem que conduz todo o desenvolvimento da Constituição Federal de 1988: o princípio da dignidade da pessoa humana. E assim sendo, deve ser priorizado, mesmo tendo em vista o peso e a importância dos artigos do Capítulo VI, que estabelece as normas constitucionais concernentes ao trato do meio ambiente.

Por isso, diante de tal conflito, o ordenamento jurídico brasileiro, que se mostra complexo, pode ser analisado a luz da sua unidade, completude e coerência. Sua unidade nunca será questionada, apenas em casos de revoluções políticas e mudanças de paradigmas. Já sua coerência e completude será sempre análise de discussões. Nelas, o desfecho de tal conflito é o menos importante, sendo mais necessário o entendimento de como o ordenamento se apresenta.


Notas:

¹ Música “Festa do Candoblé, de Martinho da Vila, disponível em: <http://letras.mus.br/martinho-da-vila/1916466/&gt;

²Bobbio não foi o único a teorizar sobre uma Teoria do Ordenamento Jurídico, porém, este trabalho baseia-se, sobretudo, na sua obra.

³Tal analise é controvérsia. Todas as leis possuem e visam, concomitantemente, direta ou indiretamente, interferir na produção normativa futura, bem como no comportamento da sociedade. Mas para analise nesse trabalho, é claro a tentativa do artigo 23 de regular a produção normativa nas demais esferas, bem como do artigo 5 e 225 regular o comportamento da sociedade.

Referências Bibliográficas: BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

FALCÃO, Valdirene Ribeiro de Souza. Os direitos fundamentais e o princípio da dignidade da pessoa humana. Rio de Janeiro. Revista SJRJ, v. 20, n. 38, 2013, p. 227-239.

SOUSA, Rainer. Escravidão Africana. 2012. Disponível em: <http://www.brasilescola.com/historiab/escravos.htm&gt;. Acesso em: 19 maio 2015.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. Cap. V: Dinâmica Jurídica.

COSTA, Alexandre. Introdução ao Direito. Cap. II: normas jurídicas

BOBBIO, Norberto. Teoria do Ordenamento Jurídico. 6ª Edição, Editora UnB, 1995.

MARTINS, Jomar. Município tem obrigação de resolver situação de animais abandonados. Consultor Jurídico, 2014. Disponível em: http://www.conjur.com.br/2014-ago-18/municipio-nao-omitir-abandono-animal-tj-rs/ (acesso em 19/05/2015 às 18:50).

BAKKE, Rachel Rua Baptista. Tem orixá no samba: Clara Nunes e a presença do candomblé e da umbanda na música popular brasileira. Relig. soc.,  Rio de Janeiro ,  v. 27, n. 2, p. 85-113, Dec.  2007 .   Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-85872007000200005&lng=en&nrm=iso&gt;. access on  15  May  2015.  http://dx.doi.org/10.1590/S0100-85872007000200005.